21 de nov de 2010

tirei Meu Nome do Mundo


Servo
Alexandre Ferreira

Tirei meu nome do mundo
Joguei-o num precipicio profundo.
Não quero que leiam minha biografia,
Que relembrem uma fotografia.

Quero o abismo materno,
De abraço eterno
E escuridão total.
Quero o mal
E de tudo o que nele reside
Quero o Final.

Agora que se foi,
Meu nome já não tenho.
Sou eu e não menos,
O Final e não menos.

3 comentários:

Jéssica disse...

Sempre leio seus poemas e textos, gosto muito, mas nunca sei como dizer isso haha.

Bom, acho que disse.

Silence disse...

Simplesmente eterno ...

Romenia disse...

Não estou aguentando mais esta solidão, este mundo sem você, sem tua poesia.
Vou te amar pra sempre.