29 de mai de 2009

Eu Fico, Junto à Correnteza


Eu Escrevi Um Poema Triste
Mario Quintana

Eu escrevi um poema triste
E belo, apenas da sua tristeza.
Não vem de ti essa tristeza
Mas das mudanças do Tempo,
Que ora nos traz esperanças
Ora nos dá incerteza...
Nem importa, ao velho Tempo,
Que sejas fiel ou infiel...
Eu fico, junto à correnteza,
Olhando as horas tão breves...
E das cartas que me escreves
Faço barcos de papel!

Alguns Alguéns São Melhores Que Eu


Certas Certezas
Alexandre Ferreira (AlxSeth)

Algumas pessoas cantam
De quando outras amaram
Alguns poetas sabem fazer
Da sua poesia chover felicidade

Alguns alguéns são melhores que eu
Outros outréns são vistos bem
Humano demasiado humano
Me deixo levar pela sua presença

Me escolte até o seu corpo
Me prenda aos seus pulsos
Marca minha carne com seus triunfos
E com seus grandes erros

É isso o que sou
Mais um alguém no meio de alguns
Um perdido individuo onde só vivem pessoas
Um poeta no lugar onde as letras não existem
Pra você, apenas mais um...

(improvisando uma poesia na hora da postagem, não gostei do resultado, um dia melhoro e posto ela de novo)

Citação do Dia

"Como é amargoso contemplar a felicidade através dos olhos dos outros."

William Shakespeare (Nem preciso explicar quem é)

Como Você Conseguiu Sentir Felicidade?


Happiness
Goldfrapp (Letra Original em Inglês)

Junte-se a nós
E você encontrará
Harmonia e paz interior
Irá melhorar isso
Estamos aqui para lhe dar boas vindas

Estamos todos em uma jornada para
Encontrar seu verdadeiro eu interior
Melhorar isso
Estamos aqui para lhe dar boas vindas

O tempo pára
Quando você perde o amor

Felicidade
Como você conseguiu sentir felicidade?
Como você conseguiu encontrar amor?
Amor verdadeiro

Flutuando em um mundo mágico
Doe todo o seu dinheiro
Nós iremos melhorar isso, melhorar isso
Estamos aqui para lhe dar boas vindas

Podemos ver seu espírito confuso
Nos dê todo o seu dinheiro
Nós iremos melhorar isso, melhorar isso
Estamos aqui para lhe dar boas vindas

O tempo pára
Quando você perde o amor

Felicidade
Como você conseguiu sentir felicidade?
Como você conseguiu encontrar amor?
Amor verdadeiro

Estaremos nadando no mar
da sabedoria e serenidade
Melhorando isso

Felicidade
Como você conseguiu sentir felicidade?
Como você conseguiu encontrar amor?
Amor verdadeiro

27 de mai de 2009

Onde Nossos Passos Não Podem Chegar


Profecia
Alexandre Ferreira & Letícia Forbeck

Diz-se que o tempo irá mudar
Que não mais sorrisos sairão de nós
Diz-se que o vento irá curar
A ferida aberta nos nossos corações

Tudo se foi para o livre e longe
Onde nossos passos não podem chegar
Nada é mais como era ontem
Até seus beijos de lábios trocaram

Em outros corpos tento te encontrar
Segurar seus sorrisos, de amor me banhar
Mas você já se foi, pra não mais voltar
Era certa a profecia de que tudo iria mudar.

Sou um Problema, Valho o que Vale o Problema


Sou um Problema
Josefina Plá

Eu não tenho problemas Sou eu mesma o problema
Um problema ao qual falta sempre uma equação
Um sistema incompleto abortado teorema
que pede em vão assim sua prova ou solução

(Um problema que busca resolver-se a si mesmo
porque esquece que sê-lo é sua razão de ser
Que se se resolvesse já não seria ele mesmo
Que só o ser mistério lhe permite saber)

Sou um problema e valho o que vale o problema
Igual sempre a si mesmo distinto a cada vez
Problema do qual sou quadro-negro e cifras

(...Não se esgota o problema Esgotas-te como tema
Fracassado abondonas aula livros esquadro
Mas este exame nunca te concede outra opção...)

Citação do Dia

"A aceitação da dor é o primeiro passo para suportá-la, caso contrário, o pessimismo, a impaciência e a intolerância, poderá transformá-la num fardo além de suas forças."

Ivan Teorilang (Alguém)

Eu Finjo Ter Paciência...


Paciência
Lenine

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não pára...

Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara...

Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...

O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida é tão rara
A vida não pára não...

A vida não pára!...
A vida é tão rara!...

26 de mai de 2009

Todos os Anjos se Envergonham


For You
My Dying Bride (Letra Original em Inglês)

Eu estarei lá por você
Tudo o que eu quero é você
Quando eu vejo seu rosto
Todos os anjos se envergonham

Deite-se comigo, beleza
Sinta-me perto de você
Pegue minha mão para você
Tocando-a suavemente. Sua pele quente

Cubra-me com você
Sobre mim, debaixo de você
Puxe-me para dentro de você
Enquanto nós nos deitamos entrelaçados

Tudo o que sempre quis
Eu tenho, eu nunca mais preciso desejar de novo
Você foi enviada do Paraíso

Como Eu me Sinto Fundamente Estranho


Só!
Cruz e Sousa

Muito embora as estrelas do Infinito
Lá de cima me acenem carinhosas
E desça das esferas luminosas
A doce graça de um clarão bendito;

Embora o mar, como um revel proscrito,
Chame por mim nas vagas ondulosas
E o vento venha em cóleras medrosas
O meu destino proclamar num grito,

Neste mundo tão trágico, tamanho,
Como eu me sinto fundamente estranho
E o amor e tudo para mim avaro...

Ah! como eu sinto compungidamente,
Por entre tanto horror indiferente,
Um frio sepulcral de desamparo!

Seu Nome Goteja da Sola dos Meus Sapatos


Você
Alexandre Ferreira (AlxSeth)

Viajo pelos versos da poesia
colocando você em cada linha
gritando seu nome em cada esquina
dessa cidade de estrofes sujas

Seu rosto estampado em cada outdoor
mostrando um sorriso forçado
como naquele dia ensolarado
onde nossos lábios se beijaram

As luzes negras dos postes
iluminam meus passos tortos
seus olhos no papel me perseguem
seu nome goteja da sola dos meus sapatos

Sempre que começo a me erguer
você está caindo
seus belos olhos insistindo
em me trocar por um cigarro

Eu estarei aqui pra te segurar
Quando você cair do seu salto
e te mostrar em um abraço
O amor em meus braços... Indecisão

21 de mai de 2009

Dupla Face


Você está em frente ao espelho, quando o sino tocar seu reflexo lhe dará as costas e sairá andando, a cada passo ele irá envelhecer um ano, a cada passo ele irá matando o amor que está dentro de você, a cada passo ele estará mais perto da morte. A esperança é a última que morre e a primeira a renascer para se alimentar de suas lágrimas. Cantei! Cantei! Como é ruim cantar assim, essa canção de uma nota só, de uma batida só, de um sorriso só. Pode ir, pode voltar de onde veio, meu coração cheio do seu cheiro, marcado das suas unhas, solte-o, ele está apressado para fugir do seu abraço. Leva o pedaço arrancado de mim, leva os teus sinais que a saudade dói como uma faca, que aos poucos abre a pele e a apodrece. Meu relógio marca sempre a mesma hora, o mesmo dia, o mesmo número, meu relógio marca a febre do meu corpo, a doença do meu peito, marca as poesias pra você os lamentos por você, marca a dor e a felicidade, marca o amor e o ódio. Meu relógio é meu lembrete de tristeza.

Vai, parte enquanto é cedo, enquanto o controle me resta. Seguro meu coração com as mãos, para sufocar todos os sentimentos saídos dele, é melhor assim...

18 de mai de 2009

Pra Quando Percebermos Nos Amar


Prólogo
Alexandre Ferreira (AlxSeth)

Não vejo brilho nos seus olhos
Quando vem meus lábios tocar
Não vejo o sorriso do seu rosto
Quando quer meus braços tomar

Vejo um tempo passado
Que de tão fracassado
Não termina a passar

Não sinto suas mãos tremer
Quando meu coração segura
Não sinto um futuro querer
Quando me olha insegura

Sinto um aperto no peito
Que de tão raro defeito
não consegue te amar

Não vejo sua boca sorrir
Quando mostro te desejar
Não vejo seus olhos abrir
Quando começo a cantar

Vejo um amor sufocado
Que de tão evitado
já não consegue se alçar

Não sinto medo ao te contar
Quando minha poesia se alegra
Não sinto tristeza ao te tocar
Quando lá fora tudo se acaba

Sinto um futuro amendrontado
Que nos quer acordado
Quando percebermos nos amar

A Mão que Afaga É a Mesma que Apedreja


Versos Íntimos
Augusto dos Anjos

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

Citação do Dia

"Os opostos se distraem
Os dispostos se atraem"

Fernando Anitelli (Vocalista da banda Teatro Mágico)

17 de mai de 2009

Eu Me Desmancharia aos Seus Pés


Boys Don't Cry
The Cure (Letra Original em Inglês)

Eu diria que estou arrependido
Se achasse que isto faria você mudar de idéia
Mas eu sei que desta vez
Eu falei demais
Fui indelicado demais
Eu tento rir disso tudo
Cobrindo com mentiras
Eu tento rir disso tudo
Escondendo as lágrimas em meus olhos
Pois garotos não choram
Garotos não choram

Eu me desmancharia aos seus pés
Mendigaria seu perdão
Imploraria a você
Mas eu sei que é tarde demais
E agora não há nada que eu possa fazer
Por isso eu tento rir disso tudo
Cobrindo com mentiras
Eu tento rir disso tudo
Escondendo as lágrimas em meus olhos
Pois garotos não choram

Eu diria a você
Que te amava
Se achasse que você ficaria
Mas eu sei que é inútil
E você
Foi embora
Julguei mal o seu limite
Fiz você ir longe demais
Te subestimei, não te dei valor
Pensei que você precisasse mais de mim
Agora eu faria qualquer coisa
Para ter você de volta ao meu lado
Mas eu só fico rindo
Escondendo as lágrimas em meus olhos
Pois garotos não choram garotos
Garotos não choram
Garotos não choram

14 de mai de 2009

Confissão


Sorriso, riso, sem sentido o arrependimento bate a porta como a chuva cai do céu. Os lábios dela são quentes e seus olhos são lindos, sua voz sorridente seu pensamento descrente. Não há nada que possa descrever aquele momento, erro ou acerto? Falo sempre sobre o que gostaria de ter e ser, porque não falar do que não quero? Não quero a distância que afasta nossas bocas, não quero o frio que está gelando nossos corpos, não quero o olhar de ódio que você aponta pra mim. O que os livros reservaram para minha vida não passa de desejar ter e não poder, não passa de ver tudo desmoronar, não passa de erros. Os livros reservam felicidade plena para alguns, os livros cantam história de amor para outros. O perfume dela ainda está impregnado no meu quarto, eu olho o retrato dela na parede, eu choro enquanto um sorriso brota no meu rosto sujo de dor. Ela me julga tão importante quanto um filme, ela me canta nas tortuosas ruas da aflição, ela me vomita ao chão no fim de tudo. Ainda sinto o gosto de cigarro do seu beijo, ainda sinto o cheiro do nosso sexo, ainda choro as marcas que ganhei, as marcas que lhe dei. Eu mereço cada chaga do meu corpo, cada prego na minha mão, cada morte nas minhas costas, eu mereço o pecado, eu mereço a dor, eu mereço a solidão.

Uma cicatriz para cada acerto, um amor perdido para cada pecado.

10 de mai de 2009

Eu sinto, Eu vejo, Eu penso, (In)felizmente


Não saber sobre o que escrever, mas sentir a necessidade de escrever é uma das piores coisas que pode acontecer com uma pessoa, e é o que está acontecendo comigo. A raiva atinge o ponto máximo, e eu não posso gritar para as paredes, não posso gritar para os céus, tenho que sufocar tudo nessas frases mal escritas. Queria ver alguém olhar o futuro e sorrir, me abraçar pra me acalmar, suspirar que tudo vai ficar bem, mas não fazem isso verdadeiramente, estamos na época do um por si e todos por si mesmos. Usamos rimas pobres para falar de amor, usamos versos pobres pra cantar nossas alegrias, mas usamos das mais ricas e belas palavras pra nos deprimir. Queria por um dia ser diferente, ser outra pessoa, ser o oposto de mim, queria conseguir o que sonhei com a facilidade que os outros conseguem, queria publicar um livro e ser lido por algumas pessoas, queria ver um anúncio com meu nome, queria me ver cantar, queria ser outra pessoa. As vezes também queria deixar de pensar, seria tudo tranquilo então, não olharia tudo com desanimo, não seria tão pessimista como sou, queria, mas querer não é poder. Poder é dinheiro e dinheiro hoje em dia é vida. Se fossemos diferentes seriamos melhores ou piores?

Eu vi um filme, eu li livro, neles, nós seres pensantes, éramos parte de um parque de terror.

Esperando A Margem Acabar


Acorrentado
Alexandre Ferreira (AlxSeth)

Existem outras coisas para carregar nas costas
Existem outras pedras para tirar do caminho
Você já sugou muito a minha energia
Já bebeu muito do meu pulso
Está na hora de partir

O adeus é tão difícil de dar
Você está presente em cada nota do meu violão
O ritmo que se prende na minha cabeça
Você está lá em cada letra do meu caderno
Esperando a margem acabar

Os olhos sorridentes daquela foto antiga
Enfeitam o azul escuro da minha parede
O anjo que perde as asas se colore no quadro pintado
Eu deitado, sorrindo desolado, atado ao erro de te manter ao meu lado.

6 de mai de 2009

A Vida. A Morte. A Sociedade e Eu (Ou NDA)


É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar, melhor é não ama-las, melhor é apenas suportá-las. Todos querem ouvir seus lamentos com atenção, te dar as costas e lançar tudo para o céu. Quero ser o que não posso ser, sorrir sem ter dentes pra isso, quero viver com quem vive outra vida, vida distante do que eu vivo. Viver, o que é viver? É só passar um tempo aqui sofrendo e sorrindo, bebendo e fumando, gritando e sussurrando, chorando e fazendo sexo? Viver é só suportar os seus problemas até o dia da sua morte, depois disso por pior pessoa que você tenha sido, a sociedade lhe prestará tributos. Hipocrisia humanitária, abraçando os que choram pra dizer que um humano nojento a menos é uma grande perda. Não tenho voz suficiente pra gritar aos jornais que é preciso dar valor a vida e não a morte, não tenho voz o suficiente pra gritar em frente aos politicos que o dinheiro que eles pegam, pode estar matando outro. Não tenho voz? Não tenho coragem? Ou apenas sei que sou tão sujo quantos eles, que me colocando no lugar deles, faria o mesmo? Somos todo no fim farinha do mesmo saco? O mesmo velho erro de deus? Deus, olá?

Você me veio como um sonho bom, e me assustei, não sou perfeito eu não esqueço a podridão que nós temos, e todos conseguem perceber, mas fingir que não vê. Eu homem feito, tive medo, mas mesmo assim peguei no sono.

Do Sonho e Pouco da Vida


Dobre
Fernando Pessoa

Peguei no meu coração
E pu-lo na minha mão

Olhei-o como quem olha
Grãos de areia ou uma folha.

Olhei-o pávido e absorto
Como quem sabe estar morto;

Com a alma só comovida
Do sonho e pouco da vida.

Legião Urbana - Há Tempos


Há Tempos
Legião Urbana

Parece cocaína
Mas é só tristeza
Talvez tua cidade
Muitos temores nascem
Do cansaço e da solidão
Descompasso, desperdício
Herdeiros são agora
Da virtude que perdemos...

Há tempos tive um sonho
Não me lembro, não me lembro...

Tua tristeza é tão exata
E hoje o dia é tão bonito
Já estamos acostumados
A não termos mais nem isso...

Os sonhos vêm e os sonhos vão
E o resto é imperfeito...

Dissestes que se tua voz
Tivesse força igual
À imensa dor que sentes
Teu grito acordaria
Não só a tua casa
Mas a vizinhança inteira...

E há tempos
Nem os santos têm ao certo
A medida da maldade
E há tempos são os jovens
Que adoecem
E há tempos
O encanto está ausente
E há ferrugem nos sorrisos
Só o acaso estende os braços
A quem procura
Abrigo e proteção...

Meu amor!
Disciplina é liberdade
Compaixão é fortaleza
Ter bondade é ter coragem (Ela disse)
Lá em casa tem um poço
Mas a água é muito limpa...

4 de mai de 2009

Hoje Eu Sorri de Tanto Te Amar


O que era certo mostrou-se incerto. Dias correm alucinadamente, as pessoas passam sem olhar pros lados, sem respeitar seus desejos, sem respeitar seu espaço. O cheiro de gente está impregnado no ar, no palco um piadista é irônico ao falar de amor, mascárados rimos todos na platéia, tentamos nos enganar que não passamos por aquilo.
Volto pra casa solitário, me jogo no sofá e a TV me vomita um jornal que fala sobre sorte, sobre cortes de salários, sobre esporte, sobre a morte, é tudo no fim sobre a morte. Um filme seria bom, comédia, pegue uma comédia, mas eu só tenho dramas de guerra! Soldados caem pelo campo de batalha, eu já não consigo pensar, minha criança chora, se encolhe no escuro da minha mente, eu não quero guerra, eu quero amor, quero ela. Ela se vai encontrar outro outrem, um alguém que comparado a mim, me faz ninguém, ela se vai e me deixa um beijo colado, molhado no rosto, um selo de eterna amizade, ela fecha as portas da minha esperança.

Mas quando a olhei nos olhos, foi incrivel... De tanto amar, de tanto lamentar, de tanto odiar, hoje eu sorri, de tanto chorar.

3 de mai de 2009

Sacode A Minha Palavra Que Te Veio Ferir


O Poço
Pablo Neruda

Cais, às vezes, afundas
em teu fosso de silêncio,
em teu abismo de orgulhosa cólera,
e mal consegues
voltar, trazendo restos
do que achaste
pelas profunduras da tua existência.

Meu amor, o que encontras
em teu poço fechado?
Algas, pântanos, rochas?
O que vês, de olhos cegos,
rancorosa e ferida?

Não acharás, amor,
no poço em que cais
o que na altura guardo para ti:
um ramo de jasmins todo orvalhado,
um beijo mais profundo que esse abismo.

Não me temas, não caias
de novo em teu rancor.
Sacode a minha palavra que te veio ferir
e deixa que ela voe pela janela aberta.
Ela voltará a ferir-me
sem que tu a dirijas,
porque foi carregada com um instante duro
e esse instante será desarmado em meu peito.

Radiosa me sorri
se minha boca fere.
Não sou um pastor doce
como em contos de fadas,
mas um lenhador que comparte contigo
terras, vento e espinhos das montanhas.

Dá-me amor, me sorri
e me ajuda a ser bom.
Não te firas em mim, seria inútil,
não me firas a mim porque te feres.

Já Não Sonho, Hoje Faço com Meu Braço Meu Viver


Travessia
Milton Nascimento

Quando você foi embora fez-se noite em meu viver
Forte eu sou mas não tem jeito, hoje eu tenho que chorar

Minha casa não é minha, e nem é meu este lugar
Estou só e não resisto, muito tenho prá falar
Solto a voz nas estradas, já não quero parar
Meu caminho é de pedras, como posso sonhar
Sonho feito de brisa, vento vem terminar
Vou fechar o meu pranto, vou querer me matar

Vou seguindo pela vida me esquecendo de você
Eu não quero mais a morte, tenho muito que viver
Vou querer amar de novo e se não der não vou sofrer
Já não sonho, hoje faço com meu braço o meu viver

Solto a voz nas estradas, já não quero parar
Meu caminho é de pedras, como posso sonhar
Sonho feito de brisa, vento vem terminar
Vou fechar o meu pranto, vou querer me matar

Houve Um Dia que Sorriram e Sonharam


Despedida
Alexandre Ferreira (AlxSeth)

Saiba que os poetas cantam amores
E sua aflição, nessas letras mal rimadas
Onde as musas não estão.
Houve um dia que sorriram e sonharam,
Quando se emaranhar nos seus braços
Fazia-o perder noção do espaço
E sorrir sufocado
Nesse amor tão gentil.

E partir foi o fim,
De um sonho sem fim.

2 de mai de 2009

Por Uma Nova Cabeça Sem Dor


O erro que parece acerto, ricocheteia nas paredes e volta para o mesmo lugar. Fixa(a)mente no mesmo lugar de sempre. Por todas essas coisas que eu segurei e por todos esses poemas que cantei, nem por isso vi um sorriso, uma cura, um olhar carinhoso de algum deus solidário. Me iludi ao som de "eu te amo's" falsos, sorri quando deveria e queria chorar. Mas quem sabe não seja o bastante, um pouco da culpa cai sobre meu lombo já sangrando. Coroado com espinhos, cabeça pesa para o lado, sorriso morto... resta de todas as belezas, sorrisos, suspiros, abraços, beijos amores, resta a dor. Esta dor que enche os olhos de vultos, o ar de absurdos e o coração de feridas. Essa dor maldita que prega na carne mais pregos e que pinta na cara mais terriveis tintas, essa dor companheira que me lembra da vida que se esvai pela minha boca, essa dor realista que me arranca a sanidade a cada piscar de olhos. Dor, essa dor, essa eterna dor, maldita eterna dor.

Textos que aliviam a mente, escritos que aliviam o peso dos ombros, por uma nova cabeça sem dor, por um novo corpo sem cicatrizes, por um novo coração inteiro...